Garotas de programa eram mantidas em cárcere privado em casa de prostituição em MT



A Polícia Civil interditou uma casa de prostituição na cidade de Lucas do Rio Verde, no Médio Norte de Mato Grosso, onde foram encontradas quatro mulheres mantidas em cárcere privado. A gerente da casa foi presa em flagrante por favorecimento à prostituição. A polícia desmantelou o esquema de prostituição após a denúncia de uma das garotas.
De acordo com a Polícia, as garotas eram exploradas financeiramente. Além de pagar pelo que consumiam, elas eram forçadas a atender a um número “clientes” determinado pela casa.
Por meio de um boletim de ocorrência, ela reportou ter sido agredida pela gerente do estabelecimento .
No local informado, situado na Avenida Goiás, Bairro Jardim das Palmeiras, outras três garotas foram encontradas, mas negaram à Polícia que estavam fazendo programa. Elas alegaram que trabalhavam como vendedoras. Contudo, no local, onde deveria funcionar um bar, existiam vários quartos supostamente usados para prostituição. Também foi encontrado no estabelecimento um caderno com a relação de garotas e clientes.
Conforme o delegado Marcelo Torachs, a atividade a que as garotas de programa se submetriam consistia em crime de exploração sexual e financeira, já que um percentual do valor dos programas era destinado à proprietária do estabelecimento.
 
“Apesar de a prostituição não ser ilegal, a prática de exploração financeira a partir de terceiros se configura como crime e deve ser combatida'', ressaltou o delegado.
Apesar do estabelecimento ter sido interditado e sua gerente presa em flagrante, a proprietária do local não foi detida. Ela deve responder em liberdade pelo crime de favorecimento à prostituição.
As informações são do site G1

Nenhum comentário: