Estudo estima em 1,6 bilhão de euros custo anual da prostituição na França

Cerca de 37.000 pessoas se prostituem na França, das quais a grande maioria (62%) é através da internet         
  

Paris (AFP) - A prostituição custa 1,6 bilhão de euros por ano para a sociedade francesa, de acordo com um estudo publicado nesta quinta-feira que reforça a posição daqueles a favor da sua abolição e da penalização dos clientes.

Este estudo, realizado por uma associação que apoia as prostitutas, "Movimento do Ninho", e pela sociedade Psytel, é considerado uma resposta à Comissão Europeia (CE) que propôs em 2014 aos Estados-membros incluir no cálculo de seu PIB a prostituição, o que a França rejeitou.

A investigação procurou estabelecer os custos econômicos e sociais da prostituição, "atacando o mito de uma prostituição criadora de crescimento", explicam os autores do estudo que identificaram "29 itens de despesas", principalmente baseadas em dados nacionais, estudos e pesquisas existentes, análises de especialistas e entrevistas com prostitutas.

De acordo com este estudo, financiado pela CE, cerca de 37.000 pessoas se prostituem na França, das quais a grande maioria (62%) através da internet.

Os autores estimam em 3,2 bilhões de euros o volume de negócios da prostituição, com base no número estimado de prostitutas e sua alegada renda mensal. A média foi de cerca de € 87.700.

Mas "o dinheiro dos clientes da prostituição é em grande parte retirado do circuito da economia clássica" e "enviado para o exterior", afirma o estudo, que calcula em 853 milhões de euros a evasão fiscal do setor.

Em comparação, os gastos sociais (abrigos de emergência, benefícios sociais, ações preventivas, etc.) dos quais beneficiam as prostitutas foram estimados entre 50 e 65 milhões de euros. Os autores estimam em 311 milhões de euros o custo humano para as prostitutas, seis vezes mais expostas a violações do que a população em geral e doze vezes mais propensa ao suicídio.

As consequências sociais indiretas (filhos abandonados, homicídios e suicídios), as despesas de saúde, de polícia e justiça representam 427 milhões de euros, afirmam os autores, que lutam pela abolição da prostituição.

 
 

Nenhum comentário: