Para estudantes universitários, prostituição é como trabalhar num bar


Estudo revela que um em cada 20 estudantes vende o corpo para conseguir pagar propinas e os custos de vida associados à vida acadêmica.
 
Trabalhar como stripper ou na prostituição enquanto se anda na universidade não é diferente do que trabalhar num bar, indica um grupo de académicos que realizou um estudo sobre trabalhos sexuais entre estudantes.
 
As investigadoras Tracey Sagar e Debbie Jones afirmam que um em cada 20 estudantes universitários do Reino Unido vende o corpo para pagar propinas e os custos de vida associados à vida académica. Concluíram ainda que um em cada cinco estudantes pondera trabalhar na indústria do sexo.
 
Para a professora Sagar, do departamento de criminologia da Universidade de Swansea, “se alguém está a fazer trabalhos de cariz sexual e não vê nenhum problema nisso, então isso deveria ser considerado um problema”.
 
O estudo ‘Os trabalhos sexuais dos estudantes’ foi desenvolvido ao longo de três anos e incluiu 6.773 entrevistas.

Fonte: www.noticiasaominuto.com

Nenhum comentário: