quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Pastoral faz ação de sensibilização social nos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher.


Na manhã desta quarta-feira, 06 de dezembro de 2017, a equipe da pastoral da Mulher - unidade Oblata - realizou uma mobilização social sobre o enfrentamento à violência contra a mulher,  na Praça Santiago Maior, situada no centro da cidade de Juazeiro/BA





A ação aconteceu durante os 16 dias de ativismo, mobilização mundial que visa sensibilizar a sociedade pelo fim da violência de gênero e é concretizada simultaneamente por diversos atores do poder público e da sociedade civil, engajados nessa luta. 

Na oportunidade, os profissionais fizeram um trabalho de distribuição de mais de mil calendários com a temática e orientaram mulheres e homens que circulavam pela praça sobre os tipos de violência, Lei Maria da Penha e órgãos de proteção social; fazendo também um destaque para a violência sofrida pelas mulheres que exercem a prostituição. A Assistente Social do NASF, Adjany Fernandes, esteve presente no momento e contribuiu com a ação.

Fonte: Pastoral da Mulher.

Oficina Terapêutica de Biscoitos Artesanais


Na terça-feira, 05/12/2017, teve início a oficina terapêutica de biscoitos artesanais na Pastoral da Mulher, unidade Oblata de Juazeiro/BA. 

A ultima oficina do ano, está sendo ministrada por Beatriz Carvalho Araújo, integrante do grupo Rede Mulher. As atividades acontecerão em três etapas durante os dias 05, 06 e 07 do mês em curso, no horário da tarde. Ainda dá tempo de participar!!!


Fonte: Pastoral da Mulher.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

A violência sofrida por mulheres que exercem a prostituição foi discutida em um seminário em juazeiro

Por

60Graus



CENTENAS DE MULHERES ESTIVERAM REUNIDAS EM JUAZEIRO PARTICIPANDO DE UM DEBATE SOBRE A VIOLÊNCIA QUE ATINGE AS MULHERES QUE TRABALHAM COMO PROSTITUTAS NA CIDADE.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Pastoral da Mulher Grava Programa de Rádio Falando sobre Violência Contra a Mulher e Divulga o Seminário Sobre Prostituição e Violência.

A equipe de comunicação da Pastoral da Mulher, unidade oblata de Juazeiro, gravou, na manhã desta quinta feira, 16/11/2017, participação no programa de rádio "A voz do Velho Chico". 

O programa teve como principal tema o enfrentamento a violência contra a Mulher, umas das principais bandeiras de luta levantadas pela instituição. 

Durante o mês de novembro o combate a violência entra na agenda de diversos atores do poder público e privado em virtude do dia 25/11, data emblemática onde vários países do mundo se mobilizam pela não violência contra a mulher. Essa data também marca o início dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres, uma campanha anual que vai até o dia 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, passando pelo 6 de dezembro, que é considerado o dia nacional de mobilização dos homens pelo fim da violência contra as mulheres.

O programa ainda contou com a participação especial da Coordenadora da Pastoral: Fernanda Lins, que utilizou o espaço para divulgar e convidar todos os ouvintes para se inscreverem no Seminário que será realizado pela Pastoral da Mulher, nos dias 22 e 23/11, no auditório do Centro de Cultura João Gilberto, com o tema: Prostituição e violência, invisibilidades e contradições. Fernanda ainda ressaltou a importância de se discutir esse tema, considerando que as violências que ocorrem contra as mulheres que exercem a prostituição são invisibilizadas ou naturalizadas, merecendo um olhar direcionado de toda a rede de proteção social e sociedade em geral.

Fonte: Pastoral da Mulher.




segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Avaliação da Unidade Oblata de Juazeiro/BA - 2017.


A Pastoral da Mulher de juazeiro deu uma pausa no atendimento ao público durante os dias 07 e 08 de novembro, e esteve em reunião interna para um momento de avaliação dos trabalhos desenvolvidos no decorrer de 2017. Além da equipe Oblata de Juazeiro, participaram os representantes do quadro de administração provincial: Irmã Florinda Fiorese e Paula Gomes, além do assessor Daniel Rech.

Como parte do cronograma institucional, a avaliação é um momento onde a equipe rever os projetos e ações desenvolvidas, analisando os resultados, frente aos objetivos e indicadores que os nortearam, possibilitando, a partir de então, adequações e perspectivas para o planejamento do ano seguinte.

Durante o processo, os profissionais puderam observar êxito em grande parte ações desenvolvidas junto ao público atendido, bem como a necessidade de reformulações em alguns projetos afim de reafirmar a missão Oblata, garantido um atendimento qualificado as mulheres que exercem a prostituição. 

A Irmã Florinda destacou que as apresentações foram bastante claras, permitindo que a equipe provincial conhecesse melhor o trabalho desenvolvido em Juazeiro. Todos ponderaram o momento positivamente.
Fonte: Pastoral da Mulher



segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Em pleno 2017, desigualdade entre homens e mulheres cresce

A lacuna entre homens e mulheres neste ano está 68% fechada. Em 2016, essa percentagem era de 68,3%, avalia relatório do Fórum Econômico Mundial


Mulheres protestam nos EUA: país caiu quatro posições no ranking dos melhores do mundo para mulheres (Mario Tama/Getty Images


A caminhada lenta, porém estável do mundo rumo à igualdade de gênero foi interrompida em 2017: a paridade entre homens e mulheres diminuiu. A preocupante constatação é da edição atual do Global Gender Gap Report, relatório produzido pelo Fórum Econômico Mundial, que foi divulgada globalmente na madrugada de quinta-feira, 2 de novembro.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017



A Pastoral da Mulher, Unidade Oblata em Juazeiro/BA, realizará nos dias 22 e 23 de novembro o Seminário “VIOLÊNCIA NO EXERCÍCIO DA PROSTITUIÇÃO: INVISIBILIDADES E CONTRADIÇÕES”, no centro de Cultura João Gilberto, com o objetivo de promover a prevenção e o enfrentamento à violência contra as mulheres que exercem a prostituição na cidade. O evento contará com palestras e mesa redonda, oportunizando espaços de debates e reflexões a cerca do tema.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Mudança na Lei Maria da Penha reduz acesso das mulheres ao Judiciário


Jornal GGN - Institutições que atuam em defesa dos direitos das mulheres, incluindo defensorias públicas, pedem ao presidente Michel Temer que vete uma mudança feita pelo Senado na Lei Maria da Penha, na semana passada. O Congresso inseriu na Lei criada em agosto de 2008 uma emenda que permite que delegados de polícia decretem medidas cautelares de proteção à vítima. 
No entendimento dos políticos, a proposta é boa porque "acelera" a ação de proteção à mulher alvo de violência doméstica. Porém, para as organizações que se aprofundaram no assunto, isso só irá reduzir o acesso das mulheres ao poder Judiciário e, consequentemente, impedir que elas descubram seus direitos.
“É uma maneira de fortalecer essas mulheres, sabendo dos seus direitos e requerendo, de forma eficaz, as medidas protetivas, e de afastar mecanismos de conciliação tão comumente utilizados."

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Mulheres vivenciam retiro espiritual e falam sobre a Beleza da Vida


Durante os dias 24 e 25 de outubro um grupo de mulheres acompanhadas pela Pastoral da Mulher Unidade Oblata em Juazeiro BA vivenciou um retiro espiritual cujo tema “A Beleza da Vida me Conduz a Deus” foi o motivador para as reflexões. O retiro é a culminância dos encontros que aconteceram mensalmente durante o ano na sede da Pastoral.
O encontro ocorreu no Centro de Treinamento de Líderes – CTL em Carnaíba do Sertão BA e reuniu 09 mulheres atendidas pela Pastoral, das quais, a maioria já vinha participando dos encontros mensais de espiritualidade na instituição.  

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Encontro do Grupo Cirandas Parceiras do mês de Outubro.


A reunião do Cirandas Parceiras do mês de outubro aconteceu na manhã de 26/10/2017, na sede da Pastoral da Mulher e contou com a participação de representantes da Secretária de Educação, CREAS, Polícia Militar- Ronda Maria da Penha, Hospital Materno Infantil e CRAS Malhada da Areia.

O encontro teve como pautas: retomar os casos estudados na última reunião, afim de discutir os encaminhamentos dados; planejar ação para o enfrentamento da violência contra a mulher durante os 16 dias de ativismos e divulgação e convite para o Seminário sobre violência na Prostituição, que será promovido pela Pastoral no mês de novembro.

Com salutares discussões sobre as desigualdades e violências de gênero e a importância de tratar sobre essas temáticas nos mais variados espaços públicos e privados, as participantes acordaram que seria interessante uma culminância ao final dos 16 dias de ativismo, em espaço público, com a presença de profissionais e usuários das diversas instituições e serviços que compõem o Grupo Cirandas Parceiras. A proposta será lançada aos demais componentes do Cirandas que não estavam presentes, para que se possa formar comissão e dar andamento.


Fonte: Pastoral da Mulher.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

ONU Mulheres e movimento de mulheres negras discutem ações para a Agenda 2030 e a Década Internacional de Afrodescendentes


A representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, apresentou, para as organizações de mulheres negras brasileiras, a estratégia de comunicação e advocacy político Mulheres Negras Rumo a Um Planeta 50-50 em 2030, em Brasília. Na ocasião, foi discutida a parceria com o movimento de mulheres negras para fortalecer o desenvolvimento da iniciativa, composta por ações de comunicação e advocacy político para as afro-brasileiras, no âmbito do cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e do estabelecimento da Década Internacional de Afrodescendentes (2015 – 2024).

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Desunião da bancada trava pautas da causa feminista no Congresso

Para deputadas, a dificuldade de enfrentar os debates ocorre porque o perfil mais conservador do Congresso também se reflete na bancada feminina

Causas: entre as 55 deputadas, por exemplo, quase metade faz parte da bancada evangélica ou da ruralista (Kelsen Fernande/Fotos Públicas)

Brasília – Deputadas e senadoras têm enfrentado dificuldades em emplacar suas pautas no Congresso. Além de uma baixa representação parlamentar – são apenas 55 deputadas e 13 senadoras -, a bancada feminina não consegue chegar a um consenso sobre assuntos que envolvem temas mais ligados à causa feminista, como o aborto.

Caminhada Outubro Rosa

A Campanha Outubro Rosa consiste em um movimento mundial para  dar visibilidade às iniciativas de combate ao Câncer de Mama, mobilizando a sociedade, promovendo a conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce, aumentando a chance de cura da doença e salvando a vida de milhares de mulheres no mundo inteiro.


‘Se houver mudança na lei, mulheres serão prejudicadas’, diz Maria da Penha

Projeto aprovado no Senado permite que polícia conceda medidas protetivas a vítimas da violência doméstica. ‘Sugerimos para dar mais agilidade’, diz deputado autor do texto.


Por Cíntia Acayaba Do Compromisso e Atitude

A farmacêutica Maria da Penha, 71 anos, que dá nome à lei de combate à violência doméstica, disse que no início viu com bons olhos o projeto que busca mudar o texto da legislação. Depois, ao se inteirar, afirmou que se preocupa com a mudança “inconstitucional” e pede que o presidente Michel Temer (PMDB) vete parcialmente o projeto. Entidades do judiciário e de direitos humanos também pediram o veto.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Pastoral da Mulher promove Seminário sobre Violência no exercício da prostituição - Inscrições abertas


Subdesenvolvimento reforça desigualdade de gênero, aponta ONU

Em todo o mundo, o que é pago às mulheres corresponde a 77% do que é pago aos homens


Um novo relatório divulgado nesta terça-feira pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) alerta para o aumento na desigualdade de gênero e para as falhas na proteção dos direitos das mulheres, em especial nos países subdesenvolvidos.

Para a ONU, os serviços de saúde nessas nações muitas vezes falham em atender demandas femininas, como o planejamento reprodutivo, e prejudicam o futuro profissional das mulheres, além de sabotar o próprio progresso nacional.

Mulheres grávidas esperam por uma consulta médica em um hospital do governo em Amritsar, na Índia - 11/07/2013 (Narinder Nanu/AFP)

Segundo o estudo, intitulado Situação da População Mundial 2017, na maioria dos países em desenvolvimento as mulheres mais pobres têm menos opção de planejamento reprodutivo, menos acesso a atendimento médico e são mais propensas a terem partos sem a assistência de um profissional de saúde.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Feminicídio mata oito mulheres por dia no Brasil; confira relatos

Assassinato de mulheres choca famílias.
Quem sobrevive, muitas vezes, tem medo de denunciar.

Do G1 

Feminicídio é o crime de ódio que mata oito mulheres por dia no Brasil. O Profissão Repórter mostra histórias de assassinatos, violência e relatos de quem sobreviveu e vive com medo.
 
A Lei do Feminicídio foi criada em 2015 com base nos estudos da advogada criminalista Luiza Eluf: “A conduta  é matar alguém, porém, se este alguém for mulher e, se essa mulher morrer devido às condições do sexo feminino no Brasil, ou seja, devido a subalternidade ou ao entendimento por parte do assassino, de que aquela mulher tem menos direito que ele e que aquela mulher lhe deve obediência total e ele tem o direito de vida ou morte sobre ela. Então, ele mata por esse motivo, ele estará cometendo um feminicídio”.

A salvadora das Marias: a major da PM que defende as mulheres vítimas de violência doméstica


A major da Polícia Militar da Bahia (PM) Denice Santiago ganhou um apelido, desde que passou a ser a comandante da Operação Ronda Maria da Penha, que completa dois anos nesta quarta (8). É a ‘salvadora de Marias’. Foi uma das mulheres acompanhada pela ronda que deu a alcunha. “Ela diz que nós (da ronda) somos salvadores de todas as Marias que existem por aí. Não somos super-heróis, mas a gente chega com um propósito”, diz.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Salvador, Feira de Santana e Juazeiro lideram número de casos de Aids em 2017 na Bahia

 


 
Os municípios de Salvador, Feira de Santana, a 100 quilômetros da capital, e Juazeiro, no norte da Bahia, são os que mais registraram novos casos de Aids em 2017, segundo dados divulgados pela Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab).
 
De janeiro a até o dia 25 de setembro, quando foi realizado o último balanço pelo órgão, foram notificados 601 casos de Aids em adultos e oito em crianças em todo o estado. Além disso, foram registrados 1.207 casos de HIV em adulto e 11 em crianças.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Outubro Rosa - Uma Campanha de Amor à vida!


O Instituto das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor apoia a Campanha do Outubro Rosa, que busca sensibilizar mulheres e estimular a população no controle do câncer de mama. 

o movimento é realizado a nível nacional desde a década de 1990 e promove a conscientização sobre a doença, proporcionando maior acesso aos serviços de diagnóstico e tratamento, contribuindo para a redução da mortalidade.

Em juazeiro, os exames de mamografia são realizados gratuitamente para mulheres a partir de 40 anos no Instituto Ivete Sangalo, localizado na Praça Projetada Um, 23-221 - bairro Santo Antonio, Juazeiro - BA. 


terça-feira, 3 de outubro de 2017

Outubro rosa: câncer de mama atinge mulheres cada vez mais jovens

Campanha alerta para a necessidade do diagnóstico precoce da doença na luta pela cura: mamografias e autoexames devem fazer parte da rotina feminina

 Margareth Vicente ficou abalada com a descoberta da doença, mas a enfrentou com otimismo: "Fiquei careca, usava lenços lindos, sempre de batom" 


Os seios são fontes de várias simbologias em diferentes culturas. Motivo de inspiração e desejo, são também o órgão da amamentação, da feminilidade e do prazer. A mama, contudo, adoece. O câncer é o mal que mais acomete essa glândula — 28% do total de tumores —, sendo o tipo que mais provoca a morte de mulheres no Brasil. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), a estimativa é de 60 mil novos casos por ano em mulheres cada vez mais jovens. Quanto mais cedo, porém, o diagnóstico, mais chances de cura. A entidade informa que, quando descoberto no início, há 95% de probabilidade de recuperação total.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Equipe da Pastoral da Mulher tem manhã de formação sobre Drogas com profissionais do CAPS AD Petrolina



A equipe da Pastoral da Mulher de Juazeiro passou por uma manhã de formação sobre Drogas nesta quarta-feira, 27/09/2017, conforme previsto no planejamento anual da instituição. O momento foi conduzido pela Psicóloga Walquíria Brito, atual Coordenadora do CAPS AD III de Petrolina e pelo Enfermeiro e residente do mesmo CAPS, Daniel Dias Cruz. Os Profissionais abordaram a parte conceitual; o estigma social; o trabalho de redução de danos e a importância do acolhimento aos usuários que acessam os serviços da rede. Também fizeram uma breve explanação sobre a atuação do CAPS AD de Petrolina, se colocando a disposição para possíveis parcerias e encaminhamentos.

Fonte: Pastoral da Mulher


Reunião do Grupo Mulheres Pérolas do mês de setembro



O grupo Mulheres Pérolas se reuniu na tarde de terça-feira, 26/09/2017, na sede da Pastoral da Mulher, sob a condução das trabalhadoras Anna Lícia Brito (Assistente Social) e Ana Paula Silva (Pedagoga). Na oportunidade estiveram presentes nove mulheres de contextos variados: abordagem, comunidade e acolhida.

terça-feira, 5 de setembro de 2017



A Pastoral da Mulher de Juazeiro participará mais uma vez do movimento do "Grito dos Excluídos"  que acontecerá durante o Desfile Cívico de 7 de Setembro. A Concentração acontecerá a partir de 07h da manhã na orla de Juazeiro.

O Grito dos Excluídos é um conjunto de manifestações que acontecem em nível nacional durante a semana da pátria e tem como objetivo dar visibilidade às questões sociais, denunciar os mecanismos sociais de exclusão e opressão e reivindicar e propor alternativas para o fim da desigualdade e para efetivação da democracia.  

Fonte: Pastoral da Mulher 

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Reunião do Grupo Cirandas Parceiras


O grupo Cirandas Parceiras se reuniu na manhã desta quinta feira, 31/08/2017, para mais um encontro de profissionais que compõe a rede sociassistencial do município de Juazeiro/BA. Estiveram presentes representantes dos CRAS Itaberaba e João Paulo II, CREAS, CIAM, NASF, NAPSI, Ronda Maria da Penha, Secretaria de Desenvolvimento Social, além da equipe da Pastoral da Mulher.

Na oportunidade foram discutidos dois casos que perpassam por diverss equipamentos e a rede pode apontar caminhos, mesmo diante de todos os desafios e fragilidades enfrentados pelos serviços. Os estudos são umas das grades potencialidades do grupo. Também foram pensadas ações conjuntas de enfrentamento a exploração sexual e o tráfico de pessoas em alusão ao dia 23 de setembro, Dia Internacional de Enfrentamento ao Tráfico de Seres Humanos.


O Cirandas tem sido um espaço de grande relevância para os profissionais e tem oportunizado momentos de reflexão, aprendizagem, troca de experiências e construção coletiva.

Fonte: Pastoral da Mulher.


quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Pastoral da Mulher Realiza Último Estudo Preparatório para o Encontro da Rede Oblata


Na tarde de segunda-feira, 28 de agosto de 2017, a equipe da Pastoral se reuniu para o ultimo estudo preparatório para o Encontro da Rede Oblata, que acontecerá em São Paulo nos dias 11 a 15 de setembro. Fernanda Lins, Coordenadora da Pastoral da Mulher conduziu o tema: “Prostituição e Espiritualidade Oblata.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

VIII Encontro de Mulheres. Mulheres Tecendo História, Construindo Caminhos.


O VIII Encontro de Mulheres, "Mulheres Tecendo Histórias, Construindo Caminhos", promovido anualmente pela Pastoral da Mulher de Juazeiro, aconteceu no dia 24/08/2017, no Centro de Treinamento de Lideres da Diocese (CTL), no distrito de Carnaíba.

Equipe da Pastoral da Mulher participa da apresentação do curta-metragem "Quebrando o Silêncio"

Na última segunda-feira, dia 28,  aconteceu a apresentação do curta-metragem Quebrando o Silêncio, uma produção de HF Produções Artísticas e da Companhia de Teatro e Cinema Cisnes Selvagens.
 
Com duração de 28 minutos, o filme teve o objetivo de analisar criticamente a violência contra a mulher na sociedade atual. “A ideia é refletir sobre as diferentes manifestações de violência em suas vidas pessoais e na comunidade. A partir do filme pode-se pensar em como solucionar essa situação, refletir sobre normas sociais de gênero que reforçam certos tipos de violência e, então, encorajar a mulher a proteger-se e buscar seus direitos”, afirma o Diretor do filme, Hertz Félix.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

De Juazeiro a Jerusalém - A Extensão Sem Fronteiras Atividades de intercâmbio entre Uneb e Universidade de Padova (Itália) são apresentadas em vídeo no campus de Juazeiro (BA).




Na próxima segunda-feira, 28/08, às 19h será lançado no Departamento de Ciências Humanas, campus III - Juazeiro da Universidade do Estado da Bahia (DCH III/UNEB), o vídeo apresentado no III Congresso Mundial SCHOLAS OCCURRENTES, um projeto social do Papa Francisco. A UNEB esteve representada no evento ocorrido em Jerusalém através do pesquisador italiano Nicola Andrian que desenvolve a pesquisa INTEREURISLAND, em Co - Tutela entre o Curso de doutorado em Ciências Pedagógicas, da Educação e da Formaçao FISPPA, UNIPD e o Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade PPEGEduC da UNEB. 

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Se não posso ter você, ninguém pode": o que pensam os homens violentos?


Por Regina Navarro Lins*
22/08/2017 15h52
 
Crédito: Getty Images
 
Pelo menos 29% das mulheres brasileiras afirmaram ter sofrido violência doméstica física, verbal ou psicológica em 2016, de acordo com pesquisa realizada este ano pelo Datafolha a pedido do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O estudo calcula que 503 mulheres foram vítimas de agressões físicas a cada hora. Para piorar essas estatísticas, em dois dias, três mulheres foram agora assassinadas por seus companheiros em São Paulo.

SP registra 1 feminicídio a cada 4 dias; 63% das vítimas morrem em casa


Claudia Zerati, Mizaelly Mirelly, Nathalia Aparecida e Celina Moura, mortas nos últimos dias em SP
Claudia Zerati, Mizaelly Mirelly, Nathalia Aparecida e Celina Moura, mortas nos últimos dias em SP


  

O Estado de São Paulo registra um caso de feminicídio a cada quatro dias, mostram dados da Secretaria da Segurança Pública obtidos pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação.
 
Os números se referem aos boletins de ocorrência do primeiro semestre de 2017, quando foram notificadas 46 ocorrências, e mostram um retrato inédito da implementação da legislação no Estado.
 
Sancionada em 2015, a lei federal que define o feminicídio transformou em hediondo o assassinato de mulheres motivado justamente por sua condição de mulher. Ela aumenta a pena por homicídio, que é de 6 a 20 anos de prisão, para 12 a 30 anos.

Juazeiro: Defensoria da Bahia lança edição 2017 da campanha Sou Pai Responsável

 
Há 10 anos, a Defensoria Pública do Estado da Bahia- DPE-BA  deu início à Campanha da Ação Cidadã Sou Pai Responsável no mês de agosto. O lançamento da campanha aconteceu no dia 14 de agosto em Salvador -BA com o tema "Garanta o papel passado e viva o papel presente". Esta campanha acontece durante todo o ano, mas é intensificada no mês de agosto, por conta do mês dedicado aos pais. O objetivo da campanha é garantir o direito à paternidade de crianças que não possuem o nome do pai no registro civil, através da realização dos exames de DNA gratuitos.

VII Estudo para o Encontro da Rede Oblata


A Educadora Social, Joice Oliveira, conduziu no dia 09/08 o VII estudo preparatório para o Encontro da Rede Oblata, com o tema: Interpelações éticas sobre Prostituição e tráfico 
de pessoas, à luz de um dos cadernos de Ética do acervo das Oblatas do Santíssimo Redentor, de autoria da Oblata Maria Luisa Del Pozo.

O caderno Interpelações éticas sobre Prostituição e tráfico de pessoas descreve o que se entende por prostituição e por tráfico de seres humanos, que deixa falar as mulheres que exercem a prostituição e que nos interpela a compreender e abordar este fenômeno escondido e muitas vezes ignorado a partir de uma perspectiva ética. 

Com uma metodologia bastante dinâmica a equipe pode discutir a temática relacionando com a realidade de atuação cotidiana da instituição.

Fonte: Pastoral da Mulher.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Pastoral da Mulher Comemora 39 anos de história em Juazeiro/BA


No dia 10/08, a Pastoral da Mulher, Unidade Oblata em Juazeiro/BA, completou 39 anos de história na luta pelos direitos das mulheres que exercem a prostituição.


A data foi celebrada em uma comemoração que envolveu a equipe e o público atendido. As mulheres foram convidadas a percorrer espaços da casa e relembrar cada década de trabalho, através de fotos, objetos e noticias de acontecimentos históricos.


A instituição também pode receber os parabéns e homenagens através de vídeos de algumas Irmãs Oblatas que fizeram parte da missão em Juazeiro e continuam em oblação em outros projetos do Brasil, como a Irmã Pilar, a Irmã Rosário e a Irmã Sirley.


A coordenadora, Fernanda Lins, em seu discurso de parabéns relembrou os fundadores que ouviram o grito das mulheres e iniciaram esse trabalho. Também lembrou da Irmã Vilma e Augusta que dedicaram parte de suas vidas a essa causa e hoje encontram-se com o Pai, com a certeza de que estão intercedendo por nós. E relembrou ainda de D. Sebastiana, mulher acompanhada que passou por um lindo processo de metamorfose e nos deixou em maio desse ano.


Fonte: Pastoral da Mulher.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Pastoral da Mulher Participa da Caravana Respeita as Mina em Juazeiro


No dia em que se comemora 11 anos da Lei Maria da Penha, 07/08, Juazeiro recebeu a Caravana Respeita as Minas, ação  itinerante de combate e enfrentamento a violência contra a mulher, promovida pela SPM-BA em parceria com o Instituto Avon, com apoio da ONU Mulheres e do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Mulher da Bahia (CDDM). Em Juazeiro, o projeto conta com a parceria da Prefeitura Municipal por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Mulher e Diversidade.

O evento, que se incorpora ao conjunto das políticas públicas que o governo estadual vem realizando para prevenir e coibir a violência contra as mulheres, aconteceu no IFBA e contou com a participação de diversos atores que compõe a rede de proteção - da Sociedade Civil e Governo -  e teve a presença da Secretária Estadual de Políticas Públicas para as Mulheres, a Sra. Julieta Palmares.

A equipe da Pastoral da Mulher de Juazeiro esteve presente durante a ação, onde se discutiu o papel da sociedade civil, da rede de enfrentamento e a segurança na cidade frente aos altos índices de violência de gênero.



Fonte: Pastoral da Mulher