Pastoral da Mulher Participa da Caravana Respeita as Mina em Juazeiro


No dia em que se comemora 11 anos da Lei Maria da Penha, 07/08, Juazeiro recebeu a Caravana Respeita as Minas, ação  itinerante de combate e enfrentamento a violência contra a mulher, promovida pela SPM-BA em parceria com o Instituto Avon, com apoio da ONU Mulheres e do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Mulher da Bahia (CDDM). Em Juazeiro, o projeto conta com a parceria da Prefeitura Municipal por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Mulher e Diversidade.

O evento, que se incorpora ao conjunto das políticas públicas que o governo estadual vem realizando para prevenir e coibir a violência contra as mulheres, aconteceu no IFBA e contou com a participação de diversos atores que compõe a rede de proteção - da Sociedade Civil e Governo -  e teve a presença da Secretária Estadual de Políticas Públicas para as Mulheres, a Sra. Julieta Palmares.

A equipe da Pastoral da Mulher de Juazeiro esteve presente durante a ação, onde se discutiu o papel da sociedade civil, da rede de enfrentamento e a segurança na cidade frente aos altos índices de violência de gênero.



Fonte: Pastoral da Mulher

VI Estudo Preparatório Para o Encontro da Rede Oblata



A equipe da Pastoral da Mulher de Juazeiro realizou na manhã desta quarta-feira, 02/08/2017, o  VI estudo preparatório para o encontro da Rede Oblata. O tema: “Luta por direitos” foi conduzido pela trabalhadora social Maria das Neves, que utilizou o filme “Pão e Rosas” para fomentar a discussão.

O filme se passa nos Estados Unidos e retrata realidade de imigrantes mexicanos que passam a lutar por direitos trabalhistas, diante de um forte cenário de exploração, onde trocam sua força de trabalho por tão pouco que não há possibilidade de suprir outras necessidades além da alimentação.

Após assistirem ao filme os profissionais puderam discorrer sobre suas impressões, relacionando a temática com o atual contexto brasileiro e com a luta por direitos no universo da prostituição, e assim como demonstra a narrativa, concluíram que só a partir da conscientização e da organização popular, é possível conquistar e garantir direitos.

Fonte: Pastoral da Mulher.