Vaticano pede a criação de agência contra tráfico de pessoas

 
Agência ANSA
A plenária da Academia Pontifícia de Ciências Sociais do Vaticano apresentou uma proposta para a criação de uma agência mundial contra o tráfico de seres humanos. A ideia, segundo a presidente da instituição vaticana, Margaret Acher, é atingir uma das vontades do papa Francisco.   
 
"Temos que ser úteis, não acessórios, na luta contra o fenômeno do tráfico -como quer o Papa", disse Archer destacando que é preciso combater não só a oferta de pessoas escravas, mas também a demanda por esse "tipo" de mão de obra. 
 
Segundo a líder da Academia, é preciso controlar os empresários que usam o trabalho forçado e aqueles que utilizam a prostituição para ganhar dinheiro.    
 
Apresentando as novas formas de escravidão como "crimes contra a humanidade", a Academia Pontifícia quer incluir a eliminação ou, ao menos, a diminuição do tráfico de pessoas e as suas consequências (trabalho forçado, a prostituição, o tráfico de órgãos e a escravidão doméstica) nos objetivos do milênio para os próximos 15 anos. "Vamos conversar com o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, no dia 28 de abril, quando ele estará no Vaticano", informou Archer. A conversa tratará, em especial, sobre os dois pontos-chave sobre o qual o grupo está trabalhando nesses dias: as formas de proteção às vítimas - que prevê a necessária distinção entre o imigrante ilegal e a pessoa escravizada - e os caminhos para reduzir a demanda desse tipo de comércio.    
 
O economista Stefano Zamagni, que atua na entidade vaticana, destaca que, como informam os últimos dados da ONU, 70% de todas as pessoas escravizadas são mulheres ou crianças e 72% dos traficantes de seres humanos são homens. Para ele, existe um "lugar comum" em todo esse âmbito: a subvalorização do processo econômico e o papel dos utilizadores do serviço. Zamagni acredita que o reconhecimento dessa realidade deve estar equiparado com os passos da luta contra a criminalidade, que nunca são suficientes. O especialista ainda falou sobre o fenômeno que a Itália enfrenta nos últimos anos com a chegada dos imigrantes ilegais.    
 
Ele defende que é preciso "confiscar os barcos, porque se nós tivéssemos feito isso nestes anos, essas embarcações da morte não existiriam mais". Zamagni se referia aos constantes acidentes com barcos que matam milhares de pessoas todos os anos na região do Mar Mediterrâneo - como os do último final de semana que podem ter matado mais de mil pessoas.    
 
Segundo o economista, é "inútil colocar os traficantes na prisão, que pouco depois saem. Esses criminosos não se preocupam com intervenções sobre a renda, mas sim sobre seu patrimônio".    
 
"Se alguém me oferece trabalho a três euros por hora, eu devo suspeitar. O papel da demanda é muito superior ao papel da oferta", ressaltou. Também o professor Pierpaolo Donati pediu para que não haja confusão entre os imigrantes ilegais com as pessoas escravas. O acadêmico propôs algumas medidas para reduzir o fenômeno do tráfico, entre os quais, deixar menos vantajoso o trabalho não protegido ou a prostituição, modificando as preferências dos consumidores e boicotando as empresas que utilizam o trabalho forçado. Neste sentido, poderiam ser colocados no mercado alguns tipos de etiqueta que atestem que não é utilizada a mão de obra escrava na fabricação do produto. 
 
Além disso, seria muito útil encorajar a população a ser uma maior doadora de seus órgãos para criar uma cultura de cooperação, não só entre indivíduos, mas também no nível internacional entre os países.
 

Nenhum comentário: