Maria da Penha: É difícil mudar a cultura machista do Brasil


Símbolo brasileiro da luta contra a violência doméstica e familiar contra as mulheres, a biofarmacêutica e ativista Maria da Penha afirmou em entrevista.com que ainda há muito o que fazer para alterar o desafio da cultura da violência no Brasil.
 
“É difícil mudar a cultura machista do Brasil. A Lei Maria da Penha tem como objetivo reverter a mentalidade violenta que conduz a relação entre homens e mulheres no Brasil”, explicou.
A ativista foi agredida pelo marido, que tentou assassiná-la duas vezes, e ficou paraplégica na década de 1980. Ele só foi condenado pelos crimes quase 20 anos depois e, embora a pena tenha sido de oito anos de prisão, ele ficou apenas dois anos preso.
 
Sua história inspirou a criação da principal lei de proteção às mulheres contra a violência praticada por pais, irmãos e companheiros. Além das medidas protetivas, a lei aumentou a punição dos agressores.
Mesmo com os avanços conquistados com a lei – que foi implementada em agosto de 2006 -, Maria da Penha afirmou que ainda há muita resistência em relação a implementação de políticas públicas voltadas ao tema.
 
“Após a implementação de medidas, é preciso ficar de olho para que elas atinjam as mulheres com eficácia”, afirmou Maria da Penha.

Números alarmantes
Os números relacionados a violência doméstica ainda preocupam muito. De acordo com a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, dos 67.962 relatos de violências registrados na Central de Atendimento à Mulher no primeiro semestre de 2016, 51,06% corresponderam à violência física; enquanto 31,10% representaram casos de violência psicológica. A lista é preenchida com casos de violência moral (6,51%), cárcere privado (4,86%), violência sexual (4,30%), violência patrimonial (1,93%) e tráfico de pessoas (0,24%).
 
Na comparação com os seis primeiros meses de 2015, os casos de estupro registraram um aumento de 147% entre janeiro e junho de 2016. Os relatos relacionados à violência doméstica e familiar subiram 133% na mesma base de comparação.
“O aumento das denúncias, porém, refletem que as pessoas estão mais conscientes sobre a lei e estão recorrendo à Justiça”, disse a biofarmacêutica.
 
Por que é importante a participação feminina na política?
 
A ativista destacou ainda que o nível de violência contra a mulher é proporcional à falta de participação política do sexo feminino. Segundo o ranking elaborado pelo IPU (Inter-Parliamentary Union), o país ocupa a 154ª posição no ranking de participação feminina na política. De acordo com o Mapa da Violência, o Brasil é o quinto país com maior índice de violência doméstica.
 
O Brasil ainda é o país sul-americano com menor número de mulheres no Congresso Nacional. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), são 11 senadoras (13,6%) de 81 parlamentares e 51 deputadas (9,9%) de 513 congressistas.
 
No Espírito Santo, onde há uma taxa de representação feminina em cargos eletivos reduzida (8%), existe um persistente quadro de violência contra a mulher.
 
Para Maria da Penha, a presença de mulheres na política é essencial para que políticas públicas voltadas ao sexo feminino sejam levadas adiante.

Olhar no horizonte
 
Realizada com a possibilidade de ser indicada ao Prêmio Nobel da Paz, Maria da Penha promete “que continuará lutando para que mais políticas sejam estabelecidas para combater a violência doméstica”.
Após as eleições, a ativista pretende viajar em cidades que ficam no entorno de Fortaleza para poder cobrar os gestores que se comprometeram com a implementação de políticas públicas de combate a violência doméstica.
Se a experiência for positiva, ela pretende criar um acompanhamento em todo o Brasil por meio da equipe do instituto que leva o seu nome.
“Para conseguir concretizar esse projeto, preciso da ajuda do empresariado. Para realizar essas viagens, preciso do mínimo conforto. Entre as necessidades, um carro acessível para a instituição seria muito bem-vindo”, afirmou Maria da Penha, emocionada pela possibilidade de conseguir algo que amplie o alcance de seu trabalho.

Fonte: EXAME

Nenhum comentário: